Amélie Poulain Mode de Vie

Já que eu vivo de sonhos, me deixa – só hoje – viver repetidas vezes um final feliz?

O amor só dura em liberdade
O ciúme é só vaidade
Sofro mas eu vou te libertar
O que é que eu quero se eu te privo
Do que eu mais venero
Que é a beleza de deitar

  • Raul Seixas
  • Café, lousa ou prato

    In certeza…

    Como café sem açucar
    Unha na lousa
    Faca no prato
    A testa franze e as orelhas levantam
    Os olhos fecham (e a coragem para abri-los?)
    Dessa vez, não é nenhum deles
    Café, lousa ou prato – que nada, burro – é seu coração.

    ————————

    (Bruno Ferrari)

    As coisas não costumam ser fáceis pra ninguém, eu sei. Mas às vezes o que passou faz muita falta, porque a impressão de estar sozinha é inevitável. Sozinha no meio de tanta, tanta, tanta gente… (E a saudade que me dói é a de ter ainda tudo ao lado, mas na superfície. É da profundidade a saudade que tenho).

    Ah, quer saber?

    – é meu coração.

    Orgulhinho

    Não esperava menos desde que falamos pela primeira vez.

    [Conheço desde sempre e nem sabia, ó! Mas foi depois de descobrir seu abraço que aprendi olhar o nome do repórter matéria por matéria.]

    Quando crescer, quero ser igual a você.

    E, ah… Que saudades eu tenho.

    (A única tristeza? Ele não é mais foca. – bah! Quem liga?)

    E mil urras ao twitter, que ajudou a amizade nascer.

    (ps> não esquece, hein? você sempre terá uma leitora assídua além da sua mãe. ahaha)

    (ps2> arranje um tempo pra responder aos meus emails, cazzo!)