retrato da blogueira quando jovem

ultimamente tenho sentido falta do tempo em que o blog era o meu quartinho escuro. quando eu vinha aqui, botava tudo pra fora e sempre tinha alguém que comentava comigo, compartilhava experiências e tudo o mais. que ria e chorava junto. era adorável especialmente quando não precisava medir as palavras porque estava sendo observada pela família, pela faculdade, pelo trabalho, por mim mesma. quando não havia esse policiamento. mas passou, faz anos — quase dez, por sinal. e hoje o que mudou não foi só a internet ou a maneira como lidamos com ela. com toda a liberdade do mundo, estamos ainda numa prisão, eu sei. mas o problema maior não é esse: é que eu não sou mais criança. só isso. passou a fase de declarar um amor por dia e expor confissões aqui e lá. passou da hora de trocar o sonho de ser a power ranger amarela (só porque ela era japonesa) pelo  de uma carreira, uma família, uma vida que vá além de levantar, trabalhar, estudar, comer e, eventualmente, surtar para todo mundo. não sou a heroína que era em 1995. e o melhor que eu faço, na maior parte do tempo, é ficar quieta.

o problema é conseguir.

6 comentários em “retrato da blogueira quando jovem”

  1. Até onde eu consigo enxergar, você é muito mais heroína hoje do que já foi em outros tempos.

    Nos tornamos maiores com o tempo, então precisamos encontrar novos cantinhos escuros – e, por isso, deixamos nossos espaços seguros de vez em quando.

    O erro é ficar quieta. Você tem mundos inteiros na cabeça que são fascinantes demais pra ficarem presos.

    :*

    Ariane: Bru, você é um dos meus melhores amigos e (parei pra pensar nisso agora) já faz um tempinho considerável. Não tem como eu deixar um toque seu passar batido. E, na real, vale a pena ouvi-lo com carinho. Quem conhece melhor minha esquizofrenia senão aqueles que já tiveram contato com ela pessoalmente? haha!

    Brincadeiras à parte, obrigada pelo apoio. Você é sensacional. Dá aqui um abraço, negão. :*

  2. e o melhor que eu faço, na maior parte do tempo, é ficar quieta.

    o problema é conseguir.

    nem me fala! nem me fala.

    Ariane: Olha, sei que fui eu quem disse isso, mas hoje tenho as minhas dúvidas. É muito cômodo ficar quieta, engolir a dor, ignorar certas coisas… Mas a verdade é que falar, apesar de incomodar os outros (a nós mesmos também, em muitos casos), é uma forma de correr atrás da mudança. Calados ficamos tentando achar soluções. Falando a gente faz bagunça, cria desconforto, toma tapas na cara e segue em frente. O estrago às vezes vale bem mais.

  3. Mesmo adultos, a vida pode ser mais que levantar, trabalhar, ter família, o brilho da vida depende da gente.E tenho certeza, que sua vida agora pode ser muito mais interessante que antes. bj

    Ariane: Claro, Cris! Sei que pode. Aliás, esse texto veio exatamente da minha necessidade de fazer da minha vida mais do que um acorda-trabalha-estuda-dorme-acorda. Perdi o brilho mas já estou correndo atrás de novo. É tudo escolha, não? Obrigada pelo toque, lindona. =)

  4. Olha, sei que o que disser aqui talvez não ajude em nada…
    Mas uma coisa que sempre me fez abrir os seus blogs, seja o love, o hate ou mesmo o grifatexto… era a maneira que eu me identificava com os seus textos… como aquilo era exatamente aquilo que eu tava sentindo e eu nem precisa escrever, bastava ler aquilo e saber… é alguém já passou por isso…
    Até porque eu também nunca quis compartilhar certos sentimentos, certas experiências pelo mesmo motivo que você vive agora…
    a dica que eu te dou, crie outro, e seja a desconhecida de outro blog e deixe outros te encontrarem…
    Seus textos, experiências, precisam continuar servindo pra acalantar alguém, e você mesmo!

    Ariane: Poxa, Ana, eu sei como é isso porque vivo sentido nos blogs e livros por aí. É tão engraçado saber que causo essa sensação em alguém! Essas fases ruins são esquisitas, mas passam logo. O lovemaltine foi o primeiro blog que eu não larguei assim que começou a ficar conhecido por mais gente do que eu esperava. É claro, passei a falar muito menos, mas ainda apareço e revelo muito de mim aqui. Acho que não vai acabar tão cedo especialmente por ter pessoas como você assim, por perto. Obrigada mesmo por vir aqui nos comentários me lembrar que vai ser sempre assim — e que isso é bom. =)

  5. Boa NOite. Adorei a foto de Power Ranger amarela. (é uma pena que essa fase já tenha passado). Mesmo não sendo nenhuma power ranger, sinto falta desse tempo.
    Beijos

    Ariane: Hahaha, obrigada, Ana! Também sinto uma falta enorme de correr o dia todo pela casa dublando a Angélica ou emulando um MEGAZORD. Agora eu só visito a minha casa pra tomar banho e dormir. =~

    Crescer tem dessas coisas, embora eu ainda nutra um coração de criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *