(all those unwanted comparisons)

Foram bons dias e tentativas nem um pouco sutis de que não parecesse nada — não era — até que sumisses de novo. Já era previsto, desde o início falávamos das tuas mulheres e dos teus planos e qualquer um que alguma vez já tenha trocado duas palavras contigo sabe que não és e nunca serás de ninguém senão de ti mesmo. Mas foi engraçado poder ter uma perspectiva de como ages por dentro da carcaça inventada, os modos tão carinhosos e doces que poucas vezes alguém já teve comigo.

Porque naquele momento eu te servia, e tu me servias, então estávamos bem. Eu podia acordar no meio da madrugada com tua boca na minha, querendo atenção. Travar batalhas contra o teu desejo que me impedia de pegar no sono. E depois que cochilássemos, a ressaca dos cigarros da noite anterior me faria hesitar antes de levantar a buscar água, e depois comemorar a glória de poder então sentar ao teu lado e observar teu sono tranquilo. E como éramos iguais, almas gêmeas. De repente e sem menos ou mais, descobrir que não era bem assim, e em ambos os lados havia alguém especial, e não éramos feitos um para o outro, mas um do outro, um como o outro, irmãos.

E ali, naquela cama, num adeus silencioso enquanto dormias, aquele era o nosso fim.

someday sunny sounds will soothe me
but it won’t happen soon
‘cause the cloud you left hanging over
is raining like a mean monsoon

4 comentários em “(all those unwanted comparisons)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *