… podia ter sido eu.

“Ah, me socorre que hoje não quero fechar a porta com esta fome na boca, beber um copo de leite, molhar plantas, jogar fora jornais, tirar o pó de livros, arrumar discos, olhar paredes, ligar-desligar a tevê, ouvir Mozart para não gritar e procurar teu cheiro outra vez no mais escondido do meu corpo, acender velas, saliva tua de ontem guardada na minha boca, trocar lençóis, fazer a cama, procurar a mancha da esperma tua nos lençóis usados, agora está feito e foda-se, nada vale a pena, puxar as cobertas, cobrir a cabeça, tudo valea pena se a alma, você sabe, mas alma existe mesmo? e quem garante? e quem se importa? (…) amanhã não desisto: te procuro em outro corpo, juro que um dia eu encontro. Não temos culpa, tentei. Tentamos.”

Caio Fernando Abreu.

(essa ânsia que me faz compulsivamente ler Caio e me afunda na maior das mágoas passou. comprei hoje um Bukowski e deixarei o meu querido de castigo na estante por algum tempo. pelo menos assim espero, veremos o que farei amanhã pela manhã. é tão ruim e tão bom ter Caio sempre por perto… tantas verdades doídas e necessárias.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *