Back to black

Às vezes fica até difícil refutar a tese de que “bonzinho só se fode”. Pois bem, vejam vocês, agora que a vida tá legal, o emocional marromeno foi deixado em segundo plano e a alegria voltou a resplandecer em meu rosto (até a timidez eu tô me esforçando pra superar, Brasil, até ela!!!), eis que sobre mim se abatem dores físicas. Tpm é nome carinhoso. Carinhoso, sim, porque hoje passei o dia entre suspiros (eu queria ter controle sobre meus suspiros quando estou feliz, mas não tenho D: ) e gemidos internos de “putaquepariu, como dói minha cabeça/meu peito/essa cólica”. Minha temperatura, várias vezes, subiu horrores, eu sem blusa, vermelha e fervendo. E não parava de fazer xixi. Enfim, parece até brincadeira sem graça do meu organismo comigo, tipo trote e tudo mais. Mas hello-o?

Daí que eu pensava aqui com meus botões que às vezes a gente se autoboicota involuntariamente, né? Porque não tem explicação pra eu continuar passando mal se minha vida agora tá do jeitinho que eu pedi a Deus. Pode ser que eu esteja também um pouco assustada, tudo novo, e esse é o meu jeitinho, sabe? Eu, que até tenho uma imensa facilidade de me adaptar, vejo às vezes certa dificuldade pra começar – especialmente quando é tudo muito novo pra mim. Vai ver Nelson Rodrigues é que estava certo quando dizia que o que nos trava “é o pânico de uma nova e irremediável desilusão”.

Tô em conflito interno, sabe? Muita serotonina de uma vez pra quem passou por uma fase imensa de depressão. Se bem que sei lá. O ser humano é uma coisa muito estranha, não sou só eu que vivo imersa nessa dificuldade de transpor as coisas do sonho pro real e, putaquepariu, já falei mil vezes nesse blog, NÃO DÁ PRA VIVER DE SONHO, bonitos! A vida é mais! #autoajuda (Se eu fosse uma pessoa sem sorte, tudo bem. Mas sou tão privilegiada que, depois de algum esforço, sempre consigo tudo o que desejo… Por que então deixar os pensamentos derrotistas tomarem conta de mim?)

Comecei com o desejo de estabelecer um diálogo maduro e pertinente, mas acabei foi chegando à conclusão de que, a respeito de certas ironias da vida (quase todas elas), eu só sei mimimizar no meu blog.

“Calma, tá tudo bem agora”, diria o Entei. Pior que tá mesmo, eu é que fico complicando.

Bora dormir que amanhã é um novo dia e tudo fica lindo de novo.

Um comentário em “Back to black”

  1. Oi Ariane! Tudo bem??

    Acabei de publicar o meu Manifesto no meu site, o http://www.soupenelope.com.br

    E navegando no Lovemaltine, achei que temos tudo a ver! Dá uma olhada:

    Manifesto Sou Penelope

    Sou rosa, charmosa, fofa e querida. Sou determinada, forte e tenho atitude. Faço tudo o que os meninos fazem, mas sem deixar de botar um batonzinho e um saltão.

    Minha mãe não sai de casa sem que eu confira o visual dela. Meu pai me chama quando o computador não tá “funcionando”. Acredito que quem tem amigos, tem tudo. Mas também não abro mão dos momentos myself, quando o que eu mais quero é ficar sozinha, experimentar creminhos perfumados, testar novos looks, fazer caras e bocas na frente do espelho, colada no Ipod.

    Adoro encontrar minha galera no Orkut, e fora também, e jogar conversa fora no MSN com minhas amigas. Fofoquinhas? Que nada! A gente fala de tudo. Música, cinema, viagens, baladas, liquidações… Uma mulher moderna tem que ficar antenada. Às vezes até sobra tempo pra falar dos meninos.

    Quando eu quero uma coisa, eu corro atrás. Luto, insisto, persisto e tento de novo. Até conseguir. É assim que eu sou, tenho charme e atitude. Sou Penelope.

    Tudo a ver, né? E como você é uma Penelope, quero de mandar uma surpresa linda! 😉

    Você pode mandar seu nome completo e endereço para o email: manifesto@soupenelope.com.br ?

    Aproveita e visita meu site! : )
    http://www.soupenelope.com.br

    Um beijão,

    Penelope

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *