Crianças, não tentem isso em casa.

Sonhei que havia um ranking das pessoas que mais levavam unfollow porr dia no twitter (????) e eu estava em primeiro lugar. Nem dei bola. Acordei baixo astral por alguns lances românticos, tentei não me deixar abalar. Entrei no twitter e vi algumas indiretinhas pra mim e pra minha amiga. Acontece sempre e eu ignoro. Mas hoje eu incrivelmente provoquei o dia todo. Falei absurdos, desci do salto, me diminuí. Porque sou besta. Ok, apaguei as asneiras agora há pouco, mas continuo me sentindo uma idiota. Comprar briguinhas? Em redes sociais? Ah, Ariane, você já foi muito maior que isso tudo.

Claro que com todo o agito eu bati meu recorde de perda de followers, né? Não que eu ligue, mas já que sonhei com isso, considerarei uma premonição, AHAHAHAHHA.

A vida segue, querendo ou não. Parece que eu só aprendo tomando na cara.

UPDATE:
HAHAHA, se liga na minha sorte de hoje do orkut:
Sorte de hoje: Procure viver pela paz, não por conflitos.

FICADICA.

Nesse mundo só meu…

Alice no país das maravilhas – No Meu Mundo

Criei “O Fantástico Mundo de Ariane” (a bem dizer esse Fantástico Mundo sempre existiu, só não tinha sua versão virtual), há mais ou menos uns três ou quatro anos, inspirada n’O Fantástico Mundo de Bobby. Mas sempre teve algo de Alice no País das Maravilhas também. Quem nunca quis um mundo só seu? Eu, desde pequena, vivo no meu mundinho paralelo, fazendo esporádicas visitas ao mundo real (e depois me arrependendo amargamente delas, porque a gente descobre que só tem controle sobre determinadas coisas no nosso próprio mundinho).

Quando você é criança, é perdoável – é até saudável – você viver fora do mundo real. Muita coisa ruim pra absorver cedo demais. Mas chega um momento na vida em que o excesso de sensibilidade causado pela estadia num universo paralelo começa a prejudicar. Ninguém é criança para sempre, não vou conseguir para sempre fugir dos meus problemas, das minhas decepções, nem sempre as paixões que acabam, os amores que não dão certo e as lacunas na minha vida social serão passíveis de transformação, adaptação, nem tudo na minha vida pode ser escrito e adaptado de modo a sempre envolver castelinhos, diálogos com as flores e os passarinhos… E aí os dois mundos começam a se misturar. Surge sangue, surgem batalhas, lágrimas, suor… Tudo fica distante do paraíso confuso que sonhei pra mim.

Em dias como hoje eu vejo que a solução talvez seja abrir mão desse meu mundo só meu. Só que aí eu ficaria completamente sem chão, eternamente estrangeira, sempre pensando em voltar para a casa que nunca existiu. No meio das minhas confusões, no meio dos meus conflitos internos, surge ainda mais uma decisão a tomar. E não existe Terra do Nunca, nem País das Maravilhas, eu não posso MESMO ser criança para sempre. Já não sou mais uma criança. Quando vou contar minhas histórias paras as flores, elas não querem mais me ouvir. Já não vejo passarinhos, nem ninhos, nem nada. Aos poucos, meu mundo se diluiu no mundo real. Não há mais refúgio. Responsabilidades, cobranças, paixões e amores não correspondidos, eu sou obrigada agora a encarar tudo de frente. É. Os finais alternativos que antes eu criava com facilidade agora não consigo imaginar nem com muito esforço. Então eu vou enfrentar a vida. Tem sido difícil, tem sido doloroso. Vira e mexe sou chamada de sonhadora, de Lisbela, vira e mexe eu me vejo perdida, me vejo criança, correndo atrás de um coelho branco enquanto um bando de malucos divide comigo a mesa de chá. Até hesito em nomeá-los malucos, porque, afinal, se só eu sou teoricamente normal entre eles, na prática eles é que são normais, não eu.

Eu tenho feito de tudo pra encarar esse mundo dos outros. Mas, no fundo mesmo, eu só desejo que o mundo real seja como era meu mundo. Que os amores sejam correspondidos, que os amigos sejam compreensivos, que a compreensão seja maior que a cobrança… Ah! Quem me dera que ele fosse assim… Maravilhosamente só pra mim.

Crying rivers

Ouça:

Se precisar, acompanhe a letra:

Now you say you’re lonely
Said you cried the whole night through
Well you can cry me a river
Cry me a river
‘Cause I cried a river over you

Oohhh
Now you say you’re sorry
For being so untrue
So what?
Just cry me a river
Cry me a river
I cried a river over you

You drove me
(Bye-bye, my love)
You nearly drove me out of my head
(Bye-bye, my love)
While you never shed a tear
Remember?
I remember all you said

Told me love was too plebeian
Told me you were through with me
And now you say you love me
Well, just to prove you do
Go on and cry me a river
I’d like to see you cry me a river
‘Cause I’m tired of crying over
You

Agora chora comigo.

tentou satisfazer os pais. deu seu melhor. falhou.
tentou ser uma boa amiga. fez o que soube e o que pôde. falhou.
tentou se sentir bem consigo mesma, se esforçou pra isso. falhou.

insistiu no amor, e, quando já não havia perspectivas, se rebaixou, se humilhou. óbvio, falhou de novo.

então pensou que talvez o certo fosse desistir de si mesma.
acho que acertou.