aparição-relâmpago

Carta para não mandar

Dispenso-a de comparecer na minha ideia de si.

A sua vida Isso não é o meu amor; é apenas a sua vida.

Amo-a como ao poente ou ao luar, com o desejo de que o momento fique, mas sem que seja meu nele mais que a sensação de tê-lo.

Fernando Pessoa em O Livro do Desassossego.

Eu estou sangrando tanto por dentro que o sofrimento já não cabe mais em mim. Quero sumir do planeta. Um emprego, quem sabe. Uma distração.
Eu só não quero mais continuar vivendo essa vida. Pensando no que foi, no que podia ter sido. Nos erros que eu (não) cometi.

Eu só não quero mais ter de ficar mentindo pra mim.
Quero que a dor passe logo e que o amor vá embora, porque já não é mais bem-vindo aqui.
E eu sei, sei mesmo, que sou capaz de esquecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *