Trote

Comentário número um do dia: no quesito “sonhos bizarros”, o de hoje superou todos os que tive esse mês (e olhe que já foram muitos). Merece um post só pra ele SE eu tiver coragem, QUANDO eu tiver tempo.

 

A partir daqui é só blablabla desinteressante sobre o “trote”. HAHAHA.

Agora, voltando ao dia de ontem. Ah, que saudades eu estava de ver meus amigos. Aliás, retardada seria pouco pra definir meu estado ontem. Odeio esses dias oversharing, em que a gente discute lingerie, tolices, perspectivas sobre o casamento dos amigos e até documento de ex namorado. (não sei se rio ou se choro aqui) Sério. Odeio quando falo demais. Quem acha que falo muito aqui certamente não me conhece. O pior do oversharing não são as coisas que eu falo (mentira, elas também são péssimas), mas o que me leva a falar tudo aquilo. Saudades, insegurança, medo, complexos infinitos e a MALDITA fobia das pessoas em volta. Tanto é que eu ADORO quando essa fobia vem em forma de silêncio – porque geralmente ela não se estende por muito tempo quando é assim. Simplesmente me acostumo a ter muita gente em volta. Quando o encontro é cheio de oversharings, confesso, eu fico por muito mais tempo do que deveria me sentindo a pessoa mais idiota do mundo. E aí a vergonha ETERNA, bla bla bla, mimimi, etc.

Enfim, deixamos os bixos pegando seu dinheiro no farol e os outros veteranos que não tiveram infância mandando, gritando, coletando dinheiro e se cansando e fomos até o Blue Pub, como de costume, matar saudades entre bests. Depois que pararam de pedir grana no farol, voltamos e nos reunimos no Dom’s, com direito a breja patrocinada pelo trabalho dos bixinhos – mas não sem antes fazermos uma caminhada IMENSA e LAMENTÁVEL devido a descuidos da Associação Atlética Acadêmica Jesse Owens, que teve a idéia genial de juntar bixos e veteranos de todos os cursos num lugar onde não cabia nem um quarto deles. Mas eu supero, sempre supero os exercícios físicos compulsórios. O difícil de superar vai ser a sensação de falta de ar e o nojinho daquelas pessoas suadas e eventualmente cheias de tinta se esfregando por falta de espaço.

Não havia bixos bonitos, I’m so sorry, não sinto atração por pessoas azuis, cinzas e/ou vermelhas. Francisco se arranjou com um “bixo bundudo”, mas, considerando que é o Francisco (aquele lá que conquista até primo de rolo meu HAHA) a gente releva. Também não queria bixo nenhum, não consigo mais gostar de criança devido a traumas recentes com pessoas mais velhas. (q?) 

Confesso que houve coraçãozinho acelerado e tal. Várias vezes. Mas não foi por ninguém que vocês que lêem aqui já não conheçam.

Antes que o nonsense nesse post ultrapasse os limites do aceitável, vou me retirar. =)

 

#notamental: apagar mais tarde. U_U

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *