Lama

Não, não dê mais tantas voltas, não
Se chicoteia assim por qualquer perdão
Todo esse teatro não impressiona
Por maior que seja sua recompensa
Não se importe tanto assim
Com sua imagem decadente, enfim
Nada adianta depois se lamentar
Por maior que seja sua displicência
Volta, ou vá embora, meu amor
Sem ameaças, ensaiadas na frente do espelho
O caminho mais fácil, nem sempre é melhor que o da dor

Dê uma chance pra vida, te mostrar
Um jeito menos doloroso de se despedir
Não seja assim tão dura com as palavras
Lave bem as suas mãos antes de se decidir
Tira essa lama das botas,
Antes de me dar as costas

Não, não dê mais tantas voltas, não
Se chicoteia assim por qualquer perdão
Todo esse teatro não impressiona
Por maior que seja sua recompensa
Não se importe tanto assim
Com sua imagem decadente enfim
Nada adianta depois se lamentar
Por menor que seja sua displicência

Volta, ou vá embora, meu amor
Sem ameaças ensaiadas na frente do espelho
O caminho mais fácil, nem sempre é melhor que o da dor.

Dê uma chance pra vida te mostrar
Um jeito menos doloroso de se despedir
Não seja assim tão dura com as palavras
Lave bem as suas mãos antes de se decidir
Tira essa lama das botas,
Antes de me dar as costas

(Luxúria)

Ela

Qualquer semelhança é mera consciência coincidência.

Naquele dia ela decidiu apenas se permitir sentir. Estava cansada de sofrer, e sempre que buscava se compreender acabava por sofrer mais do que deveria. Agora se limitaria a ouvir. Compartilhar experiências. Nem devia ser assim tão difícil. Precisava parar de cutucar as feridas para que cicatrizassem de vez. Nenhum antisséptico psicológico melhor que as feridas alheias.

Já há algum tempo vinha sendo mais compreensiva. Suas respostas não eram mais tão secas, frias ou unilaterais. É bom pensar no outro, sempre bom. Decidiu que pensaria. E, sem querer, meio a esse êxtase de ouvir e entender, viu-se apaixonar. Como há anos não se deixava ver. Temeu em primeira instância. Sempre temia. Deixou a idéia de lado. Como que apelando pela sentença injusta, a sensação insistiu em permanecer ali, e a tola garota ponderou melhor o que significaria gostar de alguém naquele instante. Tinha que se gostar primeiro, não conseguia. Mas resolveu arriscar, sem criar expectativas. Sabia que, se soubesse limitar a paixão até determinado nível, não haveria problemas (o que já era um imenso problema, por que qual coração conhece e respeita limites?). Entregou-se. A fase era de entrega. Ao sentimento, não ao homem por quem o nutria, que este ela mal sabia se a correspondia ou não.

E agora era a hora de ouvir, acatar, ajudar, e sentir.

E foram as 48 horas mais doces daquela fase de sua vida.

Não era ela a escolhida. E simplesmente saiu de mansinho, como se nada tivesse acontecido, comemorando os sorrisos e as palpitações que há tanto não sentia.

Nunca tinha estado tão preparada.

Nem tudo acontece como e quando ela quer… E finalmente tinha entendido isso.

Sobre um daqueles finais de semana…

que a gente faz questão de esquecer.

Regado a muito choro, cama, dores, brigas, desconsolo. Ander veio pra SP e eu não o vi. Nada de Blogcamp ou Pororoca. Nada de muitas novidades, as mesmas tristezas de sempre, a vida vai seguindo. É sempre assim.

Também ouvi bastante a dor de outros. Tentei ajudar. Me sinto melhor por isso. Não sei, toda essa coisa de poder olhar pro outro e sorrir. E tirar um sorriso de quem aparentemente não tem forças pra isso. Enfim…

Não menos importante, acho que estou me apaixonandinho. Deusmelivre de sofrimentos. Deusmelivre. Mas é bom sentir aquela palpitaçãozinha mais forte quando ele se aproxima. E tá na hora de eu deixar entrarem no meu coração de novo, mais que na hora.

Enfim… Como disse no twitter, preciso trocar o layout daqui. Não aguento mais a cara desse blog, então perco a vontade de postar.

Tudo está bem quando acaba bem. Ainda não acabou.

Amar é cansar-se de estar só: é uma covardia portanto, e uma traição a nós próprios (importa soberanamente que não amemos).

Fernando Pessoa

E hoje não desejarei morrer. Prometo. Queria morrer.
Prometo mesmo.

Beijos 😉